Categorias
Anúncios Google Inbound Marketing Marketing Digital

Psicólogo, aprenda a conquistar novos pacientes usando o marketing digital

Marketing Digital para Psicólogos e terapeutas não precisa ser um bicho de sete cabeças. Vamos te mostrar os principais caminhos e estratégias necessárias para obter sucesso e conquistar novos pacientes.

Deixe-nos adivinhar. Você decidiu abrir seu próprio consultório de psicologia e está ansioso para ter mais pacientes entrando pela porta e voltando toda semana.

Tudo é possível se você decidir aplicar as estratégias que propomos neste post. Boa leitura!

Marketing Digital para Psicólogos

O aumento da conscientização sobre os problemas de saúde mental tem ajudado a aumentar o número de pacientes no setor e a demanda por serviços de psicologia tem se mantido elevada nos últimos anos, o que significa que existe uma oportunidade de impulsionar e fazer crescer o seu negócio.

Ao aplicar as estratégias de marketing adequadas, é possível reduzir as incertezas do mercado e fazer com que novos pacientes apareçam todos os dias marcando uma sessão de psicoterapia. Bem como, na fidelização dos mesmos. Quer saber quais estratégias de marketing para psicólogos são mais eficazes? Vamos lá!

Google Ads

Sabemos que da sua necessidade de que as pessoas em sua área de localização te encontrem quando pesquisarem online os serviços que você oferece. Afinal, de que serve um ótimo site se ninguém nunca o vê?

Uma das coisas mais frustrantes sobre uma nova página é que leva tempo para os mecanismos de pesquisa localizá-la, entendê-la e começar a recomendá-la no que chamamos de resultados de pesquisa orgânicos.

Embora a otimização desses mecanismos seja realmente poderosa quando começa a funcionar, e se você não tiver tempo para esperar? Anunciar no Google é a maneira mais rápida de colocar seu site no topo da página de resultados de pesquisa.

Como funciona o Google Ads?

Google Ads para Psicólogos Imagem de um celular com Google Maps
Com ajuda da Geolocalização e Google Maps é possível segmentar sua campanha

O Google Ads é a plataforma de publicidade do Google que funciona em um sistema de pagamento por clique, permitindo que empresas, incluindo clínicas ou escritórios de psicologia, como o seu, anunciem diretamente para pacientes em potencial.

Por exemplo, digamos que você esteja em Salvador e seja especialista em trabalhar com crianças e adolescentes. Por meio do Google Ads, será possível exibir um anúncio da sua clínica no exato momento em que alguém pesquisar a palavra-chave “terapia para crianças e adolescentes em Salvador” na parte superior da página de resultados do mecanismo de pesquisa. Está claro até agora?

Quando uma dessas pessoas clicar em seu anúncio, você pagará ao Google uma pequena taxa para que ela seja direcionada para a página de especialidade de Terapia para Criança e Adolescente do seu site.

É possível, ainda, informar ao Google quanto esses cliques valem, para controlar os investimentos e garantir os lucros. Quando configurado corretamente, o Google Ads pode ser extremamente poderoso porque te possibilita mostrar o anúncio diretamente para seu paciente ideal.

Planejamento

Exponha todos os seus objetivos e expectativas. Aqui estão algumas perguntas que você deve fazer a si mesmo para ajudá-lo a entrar no caminho certo. Respondê-las com antecedência ajudará a minimizar os riscos e maximizar suas chances de criar uma campanha de sucesso.

  • Quais serviços especializados irei anunciar?
  • Quem é meu público-alvo?
  • Qual é o valor médio da vida útil de um novo paciente?
  • Quanto estou disposto a pagar para adquiri-lo?

Inicie sua campanha

Para começar a exibir o Google Ads, é necessário se inscrever em uma conta gratuita. Depois de fazer login, é hora de criar sua primeira campanha. A plataforma tem duas redes de publicidade diferentes: Pesquisa e Display.

Para simplificar neste momento inicial, recomendamos anunciar na rede de pesquisa – que é exibida nas páginas de resultados dos mecanismos de pesquisa – em vez da Rede de display, que é exibida ao lado de outros sites como YouTube, blogs e até mesmo sua própria caixa de entrada de e-mail.

Embora a Rede Display tática possa funcionar bem para empresas de comércio eletrônico, as chances de alguém clicar em seu anúncio de terapia enquanto navega casualmente na internet são baixas.

De modo geral, os mecanismos de pesquisa serão o melhor lugar para os psicólogos anunciarem, porque dessa maneira é possível alcançar as pessoas exatamente quando elas procuram este serviço.

Alguém que pesquisa “terapia de casal” no Google está definitivamente interessado nessa atividade. No entanto, quem rola aleatoriamente seu anúncio enquanto navega em outro site pode não ter o menor interesse.

Basicamente, o Google Ads funciona como um leilão. Se você e seu concorrente quiserem aparecer para uma determinada frase de pesquisa (ou palavra-chave), o Google verificará quanto cada um de vocês está disposto a pagar por clique e dará prioridade para aquele que estiver disposto a investir mais.

Para saber mais sobre o Google Ads, clique aqui.

Marketing de conteúdo 

Ilustração de Mulher segurando placa na frente de elementos gráficos de marketing digital
Uma das melhores maneiras de fazer marketing digital para psicólogos é produzir bons conteúdos

Se o seu escritório ou clínica de psicologia ainda não tem um site, é hora de contratar um desenvolvedor para ajudá-lo a construir sua presença online, e não dizemos isso apenas porque – de acordo com uma pesquisa GoDaddy, 83% das PMEs que têm um site sentem que têm uma vantagem competitiva sobre aqueles que não têm um.

A verdade é que o site é um canal poderoso para dar visibilidade às atividades, que também servirá de base para desenvolver suas estratégias de Inbound Marketing.

Você sabia que, de acordo com uma pesquisa da Ascend2, 72% dos profissionais de marketing afirmam que a criação de conteúdo relevante foi a tática de SEO mais eficaz?

Marketing Digital para psicólogos: melhores estratégias

Aqui estão algumas ideias para você criar uma estratégia de conteúdo referente ao seu site para melhorar seu posicionamento de SEO, atrair visitantes relevantes e capturar leads – dados de contato de usuários interessados ​​em sua terapia.

Integre um blog em seu site corporativo e publique conteúdo valioso para seus pacientes. Quando dizemos, nos referimos a conteúdo não comercial, que se concentra em satisfazer os interesses e preocupações dos leads.

Cada postagem no blog será uma nova página que os mecanismos de busca podem indexar – fator que contribui para melhorar o posicionamento de SEO do seu site. Por que?

Porque as empresas que postam no blog recebem 97% a mais de links apontando para seu site. Se o seu conteúdo for de qualidade e fornecer informações de grande valor, será mais provável que seja compartilhado por outras pessoas.

Além disso, cada vez que um site oficial adiciona um link apontando para o seu blog ou qualquer uma das suas páginas, o SEO do seu site vai melhorar – e seus pacientes em potencial irão encontrá-lo mais facilmente no Google.

Escolha as palavras-chave certas

As palavras-chave são aquelas que os seus potenciais clientes utilizam para o encontrar quando realizam uma pesquisa no Google e um dos principais fatores que determinam o posicionamento do seu site para uma determinada pesquisa. É sobre você se colocar no lugar do seu paciente ideal e pensar sobre o que ele escreveria no Google para encontrar seus serviços ou informações sobre psicologia.

Entre as palavras-chave finais que você decidir, escolha aquelas que têm menor concorrência e maior volume de buscas – é possível obter esses dados com ferramentas como SEMrush ou o planejador de palavras-chave do Google Ads.

Posicione elas estrategicamente no conteúdo do seu site e nas postagens do seu blog. Para que o Google mostre sua página da web quando alguém pesquisar com as palavras-chave que você escolheu, é necessário se certificar de que elas estejam presentes principalmente nos seguintes locais: títulos, legendas, primeiro parágrafo da página ou postagem, snippets das URLs, nas tags “alt” das imagens e na meta descrição – o resumo que é mostrado quando aparece em uma página de resultados do Google.

Crie posts em blogs de psicologia

Mulher oriental sorridente sentada escrevendo
Contribuir para blogs de psicologia ajudará a levar sua clínica ao topo do ranking de pesquisa

Esta é mais uma forma de obter links de qualidade que apontem para o seu site e, com isso, ajudar a melhorar o seu posicionamento. Em primeiro lugar, trata-se de encontrar blogs ou sites sobre psicologia ou saúde que aceitem colaborações.

Para fazer isso, você pode pesquisar no Google usando as seguintes fórmulas: “colaborador de blog de psicologia”, “colaborar em blog de psicologia”, “colaborar com psicologia” ou “a palavra-chave que você escolher + as fórmulas anteriores”.

Depois de compilar uma lista de blogs em potencial, dedique-se a compartilhar suas postagens em suas plataformas de mídia social, mencionando-os e deixando comentários em suas postagens para que eles olhem para você.

Em seguida, escreva uma postagem de acordo com o tópico – certificando-se de incluir um link para o seu site – e envie um e-mail para fazer a proposta. Depois disso, continue compartilhando suas postagens e deixando comentários no blog deles para que eles lembrem e concluam a publicação de sua postagem.

Nossa dica: é importante tomar cuidado para não exagerar e aborrecer o responsável pela página e os leitores com excesso de mensagens.

Divulgação em alta

Use as mídias sociais para divulgar o conteúdo que você postar em seu blog. Ele é uma fonte de conteúdo relevante para suas plataformas sociais e também é uma boa maneira de gerar mais links e tráfego para seu site, graças ao seu potencial de viralização: os seguidores podem compartilhar ou retuitar suas publicações.

Dentre as plataformas de mídia social nas quais você está presente, lembre-se que Facebook, Twitter, LinkedIn são as mais adequadas para compartilhar suas postagens, pois permitem adicionar links.

Marketing em vídeos

De acordo com publicação do Hubspot, 81% das pessoas já decidiram comprar um produto ou contratar um serviço assistindo ao vídeo de uma marca. Além disso, 76% dos profissionais de marketing afirmam que o vídeo os ajudou a aumentarem as vendas.

Se você se sentir confortável falando para uma câmera, nós o desafiamos a gravar a si mesmo, oferecendo vídeos de autoajuda e conselhos gerais sobre os problemas com os quais você lida em seu consultório de psicologia – será necessário apenas uma câmera, um tripé e um simples editor de vídeo.

É possível hospedá-los em plataformas como YouTube ou Vimeo e compartilhar no site e nas mídias sociais. Desta forma, se torna possível criar uma conexão muito mais profunda com seu público e seus potenciais pacientes se sentirão mais confiantes na hora de solicitar seus serviços, pois, se o virem pela tela, poderão ter uma ideia de como você é e o que você pode oferecer para eles.

Ofereça consultas online

Homem fazendo terapia on-line
Existem várias vantagens em fazer terapia online. Que tal divulgá-las para seu público?

Várias plataformas oferecem um serviço de videochamada gratuito, como Skype, Google Meeting, Zoom ou Whatsapp, dentre outros.

Essas chamadas de vídeo permitem quebrar as barreiras do espaço e do tempo e entrar em contato com seus pacientes, onde quer que estejam. Portanto, sua localização não será mais um fator decisivo para que seus potenciais clientes contratem seus serviços.

Um estudo universitário mostra que a psicoterapia via internet é tão ou mais eficaz do que a terapia presencial convencional. Por que isso acontece?

Nessa modalidade de atendimento, os pacientes ficam menos intimidados e mais receptivos do que nas sessões presenciais, o que permite que sejam mais honestos, possibilitando, assim, que o processo de terapia seja ainda mais bem sucedido.

Maiores benefícios 

A possibilidade de expandir o raio de atividade para outras localidades geográficas e ainda abranger regiões remotas ou de difícil acesso;
Mais conforto para seus pacientes, já que eles não terão que se mover.

Expansão de público: será possível alcançar aquelas pessoas relutantes, que querem manter a discrição, como adolescentes, por exemplo. E também para aqueles que apresentam dificuldades para comparecer às consultas no horário comercial comum;

Seus pacientes poderão acessar suas consultas de uma forma mais usual. O número de faltas às sessões online é muito menor do que às sessões presenciais.

Email marketing para fidelizar o paciente

De acordo com um estudo da eMarketer, 80% dos profissionais consideram que o email marketing é sua principal força para a retenção de clientes. É um canal que permite a comunicação direta e personalizada com seus pacientes.

Por esse motivo, um dos principais objetivos de qualquer estratégia de marketing de conteúdo é gerar leads – obter as informações de contato, geralmente o nome e o endereço de e-mail, de usuários interessados ​​no conteúdo ou na atividade de uma empresa.

Conteúdo

Uma excelente maneira de conseguir isso é criar um lead magnet, ou seja, oferecendo um conteúdo – seja um guia, um e-book, um podcast ou um vídeo exclusivo – que seja muito útil para seus clientes em potencial e que eles só podem obter se preencherem um formulário, deixando seu nome, endereço de e-mail e outras informações que você julgue necessárias.

Para agilizar o processo e evitar o envio manual de emails – algo insustentável quando o banco de dados aumenta – você deve conectar os formulários do seu site a uma plataforma de automação de marketing.

Depois de obter seus primeiros leads, é necessário planejar estrategicamente não apenas o conteúdo dos e-mails que enviará a seus pacientes em potencial, mas também o tempo e a frequência com que enviará suas mensagens.

Inspiração no Instagram

Ilustração de paciente e terapeuta conversando - Marketing Digital para Psicólogos
Marketing Digital para Psicólogos: o Instagram é uma excelente ferramenta de promoção

Alguns exemplos de psicólogas/os para você seguir no Instagram e entender melhor como funciona as estratégias de marketing:

Ana Paula Gonçalves – @psicologa.a
A terapeuta da linha cognitivo-comportamental (TCC) oferece imagens acompanhadas de frases que provocam reflexão de maneira gentil e bem humorada. A conta promove o autoconhecimento, sempre levando em consideração o respeito e paciência que você deve ter consigo mesmo.

Luciana Borges – @psico.luciana
A psicopedagoga clínica mantem o foco em postagens humorísticas para alegrar o dia a dia. Se você deseja autorreflexão, o instagram da especialista é uma boa dica.

Fernanda Landeiro – @psi.fernanda.landeiro
Especializada em TCC, a conta da psicóloga traz textos sobre os variados temas, que envolvem questões existenciais, comportamentais, e emocionais. Seus textos têm como objetivo mudar alguns hábitos negativos dos leitores, a fim de otimizar o dia a dia.

Raphael Mello – @psicologo.raphaelmello
O psicólogo de linhagem analítica Junguiana foca seu conteúdo em postagens sóbrias, sendo a maioria delas destinadas a reflexões acerca dos sentimentos.

Marketing Humanizado

Essa maneira de fazer marketing é palavra de ordem e se encaixa perfeitamente na modalidade da psicologia. A estratégia considera todos os fatores como oportunidades para desenvolver uma ligação mais humana e menos hostil, mais relacionável e menos robótica com os seus pacientes em potencial.

É exatamente pela falta do marketing humanizado que algumas marcas não conseguem conquistar a confiança de seus compradores, apesar de publicarem bons conteúdos.

Pense um pouco sobre as marcas que você adora. Na maioria das vezes, serão aquelas que dominam essa arte. Colocar um toque humano no marketing digital pode tornar suas ações muito mais bem sucedidas. Ninguém quer interagir com um chatbot ou ler textos excessivamente técnicos que carecem de senso de humor.

Em conclusão

Psicólogo, agora que você viu que o marketing digital pode trazer grandes ganhos para a sua clínica ou consultório de terapia, o que está esperando para aderir e lotar sua agenda de pacientes? Utilizando uma integração das estratégias que apresentamos aqui, será possível alcançar um número muito maior de pessoas.

Categorias
Anúncios Google Anúncios Redes Sociais Inbound Marketing Marketing Digital

Como funcionam os anúncios no Google e Facebook?

Google Ads (anteriormente conhecido como AdWords) e Facebook Ads são as duas mais importantes plataformas de campanhas patrocinadas do marketing digital. Queremos que você entenda, de uma vez por todas, como lucrar usando esses tipos de anúncios.

Ambos podem ser motivadores significativos para o seu negócio e muitas empresas usam os dois em congruência para maximizar seu alcance. Mas, como o tempo e o dinheiro são limitados, onde é possível começar a obter o maior retorno do seu investimento?

As duas plataformas de anúncios têm muitos pontos em comum, mas existem algumas diferenças significativas que determinarão qual é a mais adequada para sua empresa, nos casos em que não seja possível unir os esforços.

Tanto o Google quanto o Facebook se apresentam como plataformas fáceis de usar, no entanto, oferecem opções robustas de segmentação e recursos avançados. Além disso, leva muito tempo e energia para realmente se tornar um especialista em anúncios patrocinados.

Anúncios no Facebook e Google Ads: Quais são as diferenças?

Em primeiro lugar, o que são exatamente Google Ads e Facebook Ads? Certamente você já os viu antes ao acessar o Facebook ou pesquisar no Google! Mas como eles realmente funcionam?

Ambas são plataformas de publicidade que operam com base no pagamento por clique. Ao criar um anúncio em qualquer um deles, você entra em um leilão no qual dá um lance de quanto deseja pagar pelo espaço de anúncio. Então, você será cobrado por uma determinada quantia em dinheiro cada vez que alguém clicar em um de seus anúncios. Parece simples?

Google Ads

Pessoa segurando um smartphone cuja tela mostra o Google

Tradicionalmente, o Google Ads é pesquisa paga, o que significa que você está investindo para ter sua listagem apresentada em uma página de resultados de mecanismo de pesquisa (SERP).

Dessa maneira, seu anúncio é colocado com base em palavras-chave alvo, em vez de direcionar um interesse de público específico. Dito isso, você pode – e deve ajustar as configurações da campanha de pesquisa paga para segmentar os usuários com base na localização e em diversos outros fatores.

No entanto, o Google Ads oferece mais do que pesquisa paga – você pode anunciar em:

Pesquisa do Google;
Anúncios do Youtube;
Rede de Display do Google;
Google Shopping;
Google Maps;
Google Play.

Facebook Ads

Os Anúncios do Facebook oferecem publicidade social paga. Na esteira das mudanças no algoritmo dessa rede social, ficou cada vez mais difícil para as marcas chegarem aos clientes em potencial de forma orgânica.

Com os Anúncios do Facebook, você está pagando para chegar à frente de novos clientes nas redes sociais, em vez de alcançá-los organicamente. Como você provavelmente sabe, essa mídia não se limita apenas ao seu feed de notícias. Alguns dos canais de anúncio do Facebook em que você pode anunciar incluem:

Feed de notícias do Facebook;
Instagram Feed;
Facebook Marketplace;
Feeds de vídeo do Facebook;
Coluna direita do Facebook;
Messenger.

Comparação nº 1: tamanho do público

Tanto o Google quanto o Facebook têm um alcance enorme – o Google lida com mais de 5,8 bilhões de pesquisas todos os dias, enquanto o Facebook tem cerca de 1,73 bilhão de usuários ativos diários.

Na rede social, a receita de marketing mobile representa aproximadamente 90% + da arrecadação com publicidade. Dito isso, anunciar para smartphones certamente não é uma oportunidade da qual você deve se esquivar!

Com toda a probabilidade, seu público-alvo está nessas duas plataformas, então você não pode determinar o ajuste certo para seu negócio apenas com base no tamanho do público.

Em vez disso, pergunte-se o seguinte: Meu público-alvo é ativo nessas redes? Meu produto é voltado para a pesquisa ou social? Mesmo que o Google faça 5,8 bilhões de pesquisas por dia, não ajudará você se ninguém estiver realmente procurando pelo seu produto específico.

Você está lançando um produto novo e inovador? As pessoas já ouviram o que você oferece? Se a resposta for “não”, o Facebook costuma ser a melhor opção para divulgar a mensagem, até pelo fato de ser uma rede social que trabalha muito bem com o estágio de topo de funil de marketing.

Ilustração: pessoas segurando megafone enorme e dele saem elementos do marketing digital

O Custo Por Clique (CPC) médio varia não apenas por setor, mas também por canal. Um estudo da Adespresso mostrou que os anúncios de feed do Instagram custavam quase o dobro dos canais do Facebook!

Embora o CPC médio seja normalmente mais caro no Google Ads, lembre-se de que as pessoas que clicam em seus anúncios podem estar no final do ciclo de compra.

O Facebook é ótimo para aumentar a conscientização, embora o Google Ad possa muitas vezes ser melhor para alcançar os usuários no momento da decisão, ou seja, a plataforma é mais voltada ao meio e fundo do funil de vendas.

CPC é apenas metade da equação. Outro benchmarking a ser considerado é o CPA (Custo Por Ação) para determinar se você terá um forte ROI (Retorno sobre Investimento) em suas campanhas.

Benchmarking é o processo de avaliação da empresa em relação à concorrência, por meio do qual incorpora os melhores desempenhos de outras firmas e aperfeiçoa os seus próprios métodos.

Voltando ao nosso ponto: assim como o CPC, os CPAs variam de acordo com a campanha. Depende muito de quão bem direcionados seus anúncios são e se você consegue realizar uma alta taxa de conversão. Não deixe o que pode parecer um CPA médio alto afastá-lo do PPC.

Nº 2: intenção do comprador

Quando se trata dessa métrica, o Google Ads quase sempre vence os anúncios do Facebook. Considere que tipo de negócio você tem – as pessoas tendem a procurar seus produtos ou serviços quando já estão prontas para fazer uma compra? Por exemplo, se o ar condicionado de alguém quebrar, ela imediatamente começa a procurar uma empresa de reparos.

Anúncios no Google e Facebook

Os anúncios da rede de pesquisa colocariam sua empresa na frente de um cliente em potencial no momento exato em que ele precisava do seu serviço. Por outro lado, essa pessoa não vai se lembrar daquele negócio que viu no Facebook três meses atrás. Nesse cenário, o Google Ads seria um claro vencedor.

Os anúncios do Facebook também são geralmente menos eficazes em fazer com que os leads convertam rapidamente. As pessoas geralmente vão ao Facebook para relaxar e se socializar, não para fazer compras. No entanto, essa plataforma ainda é extremamente útil para construir seu público.

Se você puder criar um senso de comunidade nas redes sociais, as pessoas ficarão muito mais propensas a comprar quando precisarem do seu serviço ou produto. Dito isso, se o objetivo de sua campanha é criar conhecimento da marca, em vez de conversões imediatas, o Facebook pode ser a melhor escolha.

3: opções de segmentação

Os anúncios do Google e do Facebook oferecem opções de segmentação e redirecionamento de públicos específicos. Em ambas as plataformas, você pode segmentar por idade, sexo, localização e nível de renda, entre outras coisas. No entanto, o Facebook é o vencedor absoluto em opções de segmentação avançada.

Além das opções mencionadas, o Facebook permite que você crie públicos com base em uma grande lista de interesses e comportamentos, graças à riqueza de informações que eles coletam de seus 2,6 bilhões de usuários ativos mensais.

Quer atingir pais com famílias grandes e filhos entre 7 e 11 anos? Sim, é possível. Indivíduos solteiros que frequentam a noite da sua cidade? Essas pessoas estarão lá. Mulheres mães de apenas um filho menor de 4 anos? Simples, ela também faz parte da plataforma e você certamente irá encontrá-la.

Famílias que ganham de R$ 4 a 7 mil mensais também podem ser impactadas. Basta você aprender a realizar uma boa segmentação, ou contratar uma empresa com essa expertise.

Com o Facebook, você pode ser muito específico com seu público. Se o seu público-alvo for muito nicho, os Anúncios serão uma ótima opção para o seu negócio.

A rede social também oferece uma ferramenta útil chamada públicos semelhantes, que permite anúncios para pessoas semelhantes ao seu público existente. Para isso, usa seus dados existentes para combinar seus clientes com usuários semelhantes, o que pode ser uma opção muito poderosa para anunciantes.

Comparação 4: formatos de anúncio

Isso remete à pergunta: qual é o objetivo da sua campanha? Você certamente obterá mais criatividade no Facebook, o que o torna uma plataforma muito melhor para construir o conhecimento da marca e a fidelidade do cliente.

Se você usa o Google Ads, tem um pequeno bloco de texto para chamar a atenção dos clientes em potencial nas SERPs. É possível usar extensões para obter texto e informações adicionais, mas no geral seu formato será limitado aos anúncios da rede de pesquisa.

No Facebook, no entanto, você pode adicionar impacto visual à sua mensagem usando anúncios baseados em imagem. Essa plataforma continua a lançar diversos formatos para evitar a “fadiga dos anúncios”.

Entre as opções, vídeos, imagens, carrossel e muito mais para chamar a atenção do seu público. Se a sua empresa for de comércio eletrônico, o componente visual do Facebook deve ser uma grande consideração ao escolher a plataforma certa para você.

Qual plataforma deve ser escolhida?

Logotipo do Google Ads Vs Megafone escrito embaixo Facebook Ads

Então, o que é melhor para sua empresa: Google Ads ou Facebook Ads? Para decidir, faça a si mesmo algumas perguntas importantes.

Primeiro, considere os objetivos da campanha. O foco é vender o mais rápido possível? Nesse caso, o Google Ads pode ser a melhor escolha. Se procura expandir o reconhecimento da marca ou alcançar um público mais amplo, por outro lado, os anúncios do Facebook farão este trabalho com perfeita eficácia.

Em seguida, leve em consideração o setor de seu cliente. As empresas B2B (Business to Business, ou De Negócio para Negócio, em tradução livre) e B2C (Business to Consumer, ou De negócio para Consumidor, em tradução livre) usam o Google Ads com sucesso.

Os anúncios do Facebook costumam funcionar melhor para empresas B2C, especialmente aquelas que vendem itens menos caros, uma vez que as pessoas são mais propensas a comprar impulsivamente esses produtos após serem expostas a eles algumas vezes.

No entanto, mesmo para B2B, haverão oportunidades nos anúncios do Facebook – especialmente em casos de remarketing e públicos semelhantes.

O público do seu cliente também deve afetar a plataforma a ser escolhida. As pessoas procuram a empresa ou serviço do seu cliente com a intenção de comprar? Nesse caso, o Google provavelmente trará os melhores resultados. Mas se o seu cliente está tentando construir seu público para um novo produto, o Facebook normalmente funcionará melhor.

A nossa dica de ouro: considere qual estágio da jornada do comprador você está tentando atingir com os anúncio – o Google é ótimo para clientes em potencial no fundo do funil, enquanto o Facebook geralmente é melhor para atrair novos clientes em potencial no topo do funil.

Finalmente, considere o orçamento de marketing disponível e seu nível de habilidade técnica. Existe dinheiro para investir no Google Ads, mesmo se estiver em um setor competitivo? Você tem a capacidade de criar (ou terceirizar) uma imagem forte ou anúncios baseados em vídeo para o Facebook? Discutir questões como essa poderá ajudá-lo a esboçar uma estratégia que seja realista e acionável.

Os anúncios do Google Ads e do Facebook são duas opções excelentes para publicidade PPC e, em muitos casos, as duas plataformas funcionam melhor se usadas juntas.

Dicas para o seu Google Ads

Confira todas elas, para realizar uma campanha potente!

1. Use os tipos correspondentes de palavras-chave corretos

A publicidade PPC é um canal de marketing de atribuição direta, e o Google Ads depende da intenção do usuário por meio de palavras-chave. Sempre que alguém digita uma consulta de pesquisa no Google, os anúncios são exibidos com base em quão relevante o sistema de leilão considera o termo de pesquisa, e então exibe um anúncio de acordo com isso.

Existem quatro tipos de correspondências de palavras-chave, ou seja, quatro maneiras possíveis de “dizer” ao Google para lidar com as que você usou.

– Ampla: esta é a rede mais ampla que pode ser criada e corresponderá às pesquisas com qualquer termo e ordem (incluindo sinônimos) que incluam a palavra-chave alvo. Essa opção é mais voltada ao tráfego, pois os anúncios aparecerão frequentemente. Como ele não é tão nichado, esse tipo de correspondência é recomendado para quem tem um orçamento diário maior.

– Ampla modificada: este tipo de correspondência é a segunda rede mais ampla que pode ser lançada. Ao contrário da correspondência ampla, que pode permitir que seu anúncio seja exibido para qualquer palavra-chave na frase em que você está fazendo o lance, a correspondência ampla modificada informa ao Google “ele deve ter todos esses termos na consulta de pesquisa, porém em qualquer ordem ou canal”.

– Frase: este modificador mostrará seu anúncio apenas quando os pesquisadores usarem a composição exata que você especificar. A consulta deve conter todas as palavras-chave anotadas, na ordem específica em que foram inseridas. As aspas (“) entre a palavra-chave são o indicador utilizado na hora de configurar a correspondência de frase no Google Ads.

– Correspondência exata: este modificador de palavra-chave é semelhante à correspondência de frase; tradicionalmente, seus anúncios só serão exibidos com a consulta de pesquisa exata inserida, mas o Google relaxou um pouco isso, mostrando seu anúncio para coisas como erros de ortografia, versões no plural de uma palavra ou inferindo palavras-chave intercambiáveis ​​para o que você especificou.

2. Preencha todo o conteúdo do anúncio disponível

Desde seu lançamento em 2016, os anúncios de texto expandidos (ETAs) tiveram um impacto substancial no mundo do Google Ads. Ao oferecer espaço adicional para conteúdo relevante, os ETAs fornecem aos gerentes uma excelente maneira de contar uma história sobre o produto ou serviço. Se deseja que seus anúncios tenham um desempenho melhor, certifique-se de preencher todos os campos de informações disponíveis.

Os anúncios de texto expandidos são semelhantes aos anúncios de texto que você já conhece, mas com algumas diferenças importantes.

Os anúncios de texto expandidos têm três campos de título. Os dois primeiros campos de título são obrigatórios, mas o terceiro é opcional. Com o campo de título adicional, você pode incluir mais texto nos anúncios. É possível usar até 30 caracteres por título.

Os títulos aparecerão um ao lado do outro, separados por um traço vertical (“|”). Dependendo do tamanho da tela do cliente em potencial, eles podem ocupar uma segunda linha. O terceiro título pode aparecer com mais frequência em dispositivos móveis maiores.

Os anúncios de texto expandidos também têm dois campos de descrição com 90 caracteres, o que permite ter mais controle sobre as mensagens do seu anúncio.

O domínio do URL de visualização tem como base o domínio do URL final. O Google Ads usa o domínio do seu URL final como URL de visualização do anúncio. Por exemplo, se o URL final for www.example.com/externo/caminhada/calcados, o URL de visualização do anúncio será exibido como www.example.com.

O URL de visualização pode incluir dois campos “Caminho” opcionais. Você pode combinar o URL de visualização com até dois novos campos “Caminho” opcionais. Esses campos são adicionados ao URL de visualização depois do domínio do website. Desse modo, você pode adicionar um texto para ajudar as pessoas que visualizam o anúncio a ter uma ideia melhor da página que acessarão ao clicar nele.

O texto que você coloca nos campos “Caminho” não precisa necessariamente fazer parte do URL do website, mas deve estar relacionado ao conteúdo da página de destino.

Então, se o URL final for: www.example.com/externo/caminhada/calcados, convém usar “Caminhada” e “Calcados” como texto do caminho para que o URL de visualização do anúncio seja: www.example.com/Caminhada/Calcados

Os anúncios de texto expandidos são otimizados para dispositivos móveis. Uma visualização do seu anúncio no formato para computadores e dispositivos móveis é gerada para você durante a criação do anúncio de texto expandido.

Os anúncios de texto expandidos estão disponíveis na rede de pesquisa e na Rede de Display do Google. As extensões de anúncio (automáticas e manuais) também são totalmente compatíveis com os anúncios de texto expandidos. Saiba mais sobre como escrever anúncios de texto eficientes

(Informações: Suporte Google)

3. Ajuste de lances para segmentação geográfica

Não importa o seu mercado ou indústria, você pode se beneficiar concentrando investimentos de marketing em localizações geográficas específicas. Reveja de onde vem seu envolvimento para priorizar os gastos com mídia nessas áreas.

Indústrias locais, como apartamentos, hotéis e advogados, muitas vezes qualificam seus clientes ideais pela proximidade que vivem de seus escritórios físicos, mas o desempenho da segmentação geográfica não se limita a isso.

Mesmo que seus produtos e serviços não dependam da localização física de seus clientes, ainda é possível otimizar suas campanhas com lances segmentados por área geográfica com base na sazonalidade, clima e necessidades do usuário.

Por exemplo, se a sua empresa comercializa biquínis, uma boa saída é dar lance negativo em áreas mais frias do país, já que as pessoas nesses estados provavelmente não precisarão do seu produto e será um desperdício de dinheiro em cada clique de locais onde o uso dessas peças não é tão frequente.

No entanto, você aumentaria os lances com segmentação geográfica para cidades que sofrerão um aumento de turistas durante o verão, por exemplo.

Muitos iniciantes do Google Ads se esquecem de considerar as necessidades de seus diferentes tipos de clientes e outros qualificadores com base na localização física de seu público.

É possível economizar muito dinheiro impedindo a exibição de anúncios em algumas áreas, enquanto aumenta a probabilidade de uma conversão e aumenta o ajuste de lance em outras.

Dicas para anúncios no Facebook

Imagem com fundo azul no tom do Facebook com um notebook onde se pode ler "Ads"

Os anúncios do Facebook são incrivelmente versáteis. Entender como tirar o máximo proveito de uma plataforma tão multifacetada e de longo alcance permitirá que você atinja quase qualquer público-alvo com facilidade. O potencial de personalização é incomparável.

1. Crie várias versões do texto do anúncio

Não importa a proficiência de seu redator, sempre haverá um elemento do desconhecido quando se trata de redigir seu novo anúncio no Facebook. Quase invariavelmente haverá pelo menos alguma incidência de arremesso suficiente na parede para ver o que gruda, por assim dizer – especialmente se você ainda não executou testes A / B extensos.

Crie vários conjuntos de texto do anúncio. Escreva um punhado de manchetes e textos que combinem bem entre si. Cada conjunto deve enfocar uma mensagem principal diferente, abordar um ponto problemático alternativo e ser redigido em um estilo e tom distintos. Experimente a estrutura: você já tentou pontos com marcadores, frases mais curtas, parágrafos mais longos? O Facebook tem uma função chamada Criativo dinâmico, que permite adicionar até cinco títulos, descrições e imagens ao seu anúncio. A função, em seguida, combina estes em diferentes permutações com diferentes CTAs e determina qual funciona melhor.

2. Mantenha a frequência baixa – e a relevância alta

O Facebook Ads tem duas métricas que muitos anunciantes ignoram: frequência e pontuação de relevância. Simplificando, a frequência é uma média de quantas vezes os usuários individuais veem versões idênticas de seu anúncio. Idealmente, sua frequência deve ser mantida em no máximo três.

Qualquer coisa mais alta e pode começar a prejudicar sua campanha. Pense da seguinte maneira: se um usuário viu o mesmo anúncio dez vezes e ainda não converteu, é muito improvável que o faça.

Para manter sua frequência baixa, procure ter um público grande o suficiente para que seu anúncio circule por diferentes indivíduos a uma taxa sólida. Se você dimensionar seus gastos com publicidade, lembre-se de ficar de olho para ver se isso está afetando sua pontuação de frequência.

Que tal a métrica de relevância? Essa pontuação, ao contrário, deve ser a mais alta possível. O Facebook classifica seu anúncio em uma escala de um a dez para ver se ele é pertinente para o seu público.

Engajamentos positivos, como curtidas, visualizações, comentários, cliques e compartilhamentos irão aumentar sua pontuação. Engajamentos negativos, como usuários tomando medidas para realmente ocultar seu anúncio de seu feed, inevitavelmente diminuirão sua pontuação.

3. Sempre priorize o conteúdo Mobile First

O Google prioriza o conteúdo que foi criado para celular, e você também deve fazer quando se trata de seus anúncios no Facebook. A realidade é que o conteúdo personalizado para desktop nem sempre é traduzido bem para celular – mas o oposto não é verdade.

Em outras palavras, o material feito pensando no celular geralmente é traduzido perfeitamente em um desktop. Portanto, sempre adapte seus anúncios para mobile; dessa forma, você tem mais chances de alcançar um público pelo qual está lutando para ser visto.

Certifique-se de que seu anúncio esteja de acordo com as práticas recomendadas para celular. Isso significa vídeos verticais para que os usuários móveis possam facilmente em tela cheia sem ter que virar o telefone. São considerações aparentemente pequenas como essa que podem realmente diferenciá-lo dos seus concorrentes.

Conclusão

Inbound Marketing é um conjunto de técnicas que, embora não seja uma novidade, muitos gestores ainda resistem para incorporar em suas empresas. Integrar as ações de Inbound com Google Ads é um passo necessário para qualquer negócio que deseja prosperar.

Facebook e Google Ads

Ambas plataformas trazem muitas vantagens para os negócios, sejam eles de pequeno, médio ou grande porte. A integração dos serviços, mesmo sendo a melhor estratégia, é opcional.

No entanto, na hora de escolher, é importante pensar no estágio de funil do seu público, nos seus objetivos imediatos e em maneiras de fazer uma segmentação perfeita!

Categorias
Inbound Marketing

Inbound Marketing: tudo o que você precisa saber

O sonho de toda empresa é fazer com que os clientes a encontrem em vez de precisar ir atrás deles, correto? Pois isso é justamente o que propõe o Inbound Marketing (Marketing de Atração), um conjunto de estratégias que buscam, por meio de conteúdo relevante, atrair, converter e fidelizar os clientes, explorando mecanismos de busca, redes sociais e blogs para ser encontrada.

Dessa forma, o Inbound Marketing se contrapõe ao conceito tradicional da publicidade, o que possibilita a conexão da empresa com o seu público-alvo ao utilizar como bases o Marketing de Conteúdo, as Estratégias em Redes Sociais e o SEO (Otimização Para Mecanismo de Busca). Hoje, milhares de empresas em todo o mundo utilizam o Inbound Marketing, e neste artigo da Digital RED você vai compreender os motivos.

Se antes do advento das novas tecnologias o consumidor não tinha controle sobre o que consumia – lembre-se dos comerciais de TV, além dos anúncios de jornais e revistas -, na internet ele pode escolher tudo: formas de consumir, conteúdo e canais, por exemplo. Por essa razão, conquistá-lo com o que ele mesmo deseja absorver é fundamental, do contrário, aumentam as chances de perdê-lo para a concorrência. É aí que entra o Inbound Marketing.

Para efeito de comparação, o Inbound Marketing atua como um imã capaz de atrair os clientes por meio do conteúdo publicado. Para que isso aconteça é necessário trabalhar com planejamentos estratégicos bem pensados e com ações de alta performance. Mas não se assuste. Pequenas e médias empresas também podem adotar o Inbound Marketing, e não somente as grandes.

Origem do Inbound Marketing

Mas quando nasceu o Inbound Marketing? Não faz muito tempo. Foi há cerca de 20 anos que boa parte das marcas percebeu que não deveria interromper seus consumidores, mas sim ajudá-lo na solução de suas necessidades, agregar valor e, ao mesmo tempo, nutrir relacionamentos.

O conceito de Inbound Marketing passou a se desenvolver a partir de 1999, quando Seth Godin lançou a obra Permission Marketing, a qual abrange os princípios mais relevantes do Inbound Marketing e representa, até os dias de hoje, uma leitura importante para quem busca compreender melhor essa área. A utilização dos termos Inbound Marketing, por sua vez, passou a ser difundida pelo cofundador da empresa Hubspot, Brian Halligan.

Outbound Marketing x Inbound Marketing

É válido observar que nesse contexto mencionado, o conceito de Inbound Marketing emerge com o desenvolvimento do marketing digital e da relação entre os internautas (consumidores) com a publicidade. Até então, o Outbound Marketing bombardeava o público com anúncios variados, estandes de venda em eventos, contato direto por telefone, e-mail, entre outros. Entre as desvantagens, além do descontentamento dos clientes, podemos citar o custo das ações (geralmente mais alto) e a dificuldade para mensurar os resultados.

Ao invés disso, ao utilizar conteúdo relevante para conquistar a atenção dos consumidores, por meio de canais como redes sociais, blog, e-book e e-mail, o Inbound Marketing demanda um custo menor de investimento e possibilita a mensuração de forma mais eficiente e rápida.

Listamos as quatro principais diferenças entre o Inbound Marketing e o Outbound Marketing:

INBOUND OUTBOUND
Comunicação aberta Comunicação Unilateral
Pessoas interessadas encontram seu produto/serviço Você anuncia seu produto/serviço para uma grande audiência
Relacionamento duradouro Oferta direta
Maior engajamento Menor engajamento

Inbound Marketing: características

Entre as principais características do Inbound Marketing estão a comunicação aberta, na qual marca e cliente se engajam em discussões e iniciativas, o que possibilita que a interação seja constante e aberta; a continuidade, quando a mensagem da marca é transmitida continuamente, nos momentos mais convenientes para elas, ao invés de interrompê-las; e o maior engajamento, que se dá a partir de um relacionamento de confiança (conquista) alimentado por uma geração de valor constante e sem interrupções.

Principais etapas do Inbound Marketing

Visitantes, Leads, Oportunidades, Clientes

Além de um bom planejamento e da execução assertiva, o Inbound Marketing demanda a compreensão de suas quatro etapas básicas de operação. Elas são bem simples e ajudam a resumir os próprios objetivos desse conceito de marketing cada vez mais utilizado:

1) Conquistar: um site sem visitas não gera clientes, certo? Sem os clientes não há vendas e, por consequência, perde-se toda a razão para se trabalhar com essa estratégia. Por esse motivo a primeira etapa do Inbound Marketing é “atrair”, que preferimos chamar de “conquistar”. Funciona assim: ao invés de gastar energia em procurar pessoas que poderiam se interessar sobre seu negócio/mercado, gasta-se energia na construção de algo digno de legítima atenção e, assim, atrai-se muitas pessoas que por espontânea vontade se interessaram no assunto. Dessa forma você tem um público muito mais engajado e propenso a realmente consumir o produto;

2) Converter: o objetivo de conseguir muitos visitantes é converter o máximo deles em leads, ou seja, transformá-los em oportunidades reais de venda. Afinal de contas, visitas não pagam boletos…

3) Vender: depois de nutrir os leads gerados ao utilizar conteúdo relevante, é necessário avaliar quem está no estágio certo do funil e fechar a venda;

4) Fidelizar: a relação com o cliente não termina depois da compra. Pelo contrário, agora é que começa uma nova jornada, cujo objetivo é encantá-lo a fim de que se torne um promotor da marca e atraia mais clientes para o seu negócio, fazendo uso de recomendações.

Inbound Marketing: principais vantagens

Entre os principais benefícios do Inbound Marketing estão alcançar o público certo para o seu negócio, estabelecer um relacionamento mais próximo com os clientes, aumentar o poder de persuasão, encurtar o ciclo de vendas, diminuir os custos, subir o ticket médio e mensurar os resultados em tempo real.

De acordo com a Content Trends 2017, as empresas que adotam o marketing de conteúdo alcançam 2,2 vezes mais visitas em comparação com as que não fazem uso dele. Além disso, as que produzem uma quantidade maior de conteúdo (mais de 13 peças por mês) chegam a ter 4,2 vezes mais visitas.

Muito além da qualidade, o Inbound Marketing também tem a qualidade do público como principal atrativo, uma vez que é possível segmentá-lo. Segundo o mesmo levantamento, as empresas que usam marketing de conteúdo conseguem gerar 3,2 vezes mais leads do que aquelas que carecem de uma estratégia similar.

Principais canais do Inbound Marketing

Você deve estar se perguntando quais são as ferramentas utilizadas no Inbound Marketing a fim de fazer com que as pessoas fiquem mais propensas a se tornarem leads e, em seguida, potenciais clientes de sua marca. Estes são os principais canais:

• marketing de conteúdo: o conteúdo é uma das principais ferramentas do inbound marketing, atuando em todas as etapas do funil de vendas. O marketing de conteúdo é capaz de atrair, converter e encantar clientes e potenciais clientes. Sua estratégia envolve fatores como a criação de personas e pesquisa de palavras-chave;

• blog: é o principal canal de produção de conteúdo que uma empresa pode usar no Inbound Marketing. Todos os materiais criados passam, de uma forma ou outra, pelo blog. Lembre-se sempre que o blog é seu, ao contrário das redes sociais, logo é o seu maior patrimônio para essa finalidade;

• site: se o blog “vende” o conteúdo, o site é que vende seu produto real. Conforme ouvem a sua mensagem, os visitantes e leads, naturalmente, se sentirão atraídos a ver o que a sua empresa oferece;

• mídias sociais: as mídias sociais, que incluem tanto as redes sociais (Facebook, Instagram, Linkedin, Twitter, Pinterest etc.) quanto aplicativos de mensagem (Whatsaap, Telegram), são fundamentais para disseminar seu conteúdo e fortalecer a imagem da sua marca com o público;

• SEO: onde as pessoas de todo o mundo costumam ir quando querem pesquisar produtos, serviços e tirar dúvidas? No Google. O SEO possibilita que seu site seja encontrado mais facilmente, de preferência na primeira página, e consiga muito mais tráfego qualificado.

Métricas de Inbound Marketing que você precisa conhecer:

Smartphone iluminando duas mãos próximas

Analisar métricas demais ou acompanhar os indicadores errados estão entre os principais perigos no que diz respeito à mensuração dos resultados no Inbound Marketing. Algumas das principais métricas que devem ser acompanhadas são o Retorno Sobre Investimento (ROI), a Taxa de Conversão, Conversão do Funil, Proporção entre CLV e CAC, e o Net Promoter Score (NPC).

Listamos uma breve descrição de cada uma delas:

Retorno Sobre Investimento (ROI) – o marketing está gerando prejuízo ou lucro? É por responder a esta pergunta que o ROI é considerado a métrica mais importante. Basta somar todos os investimentos de marketing feitos e comparar com os resultados obtidos (aumento de vendas, quantidade de leads gerados), redução do ciclo de vendas, novas compras por clientes ativos etc.);

Taxa de Conversão – esse indicador mostra quantas pessoas estão sendo conquistadas, seja de visitantes para leads quanto de leads para visitantes. Dessa forma, é possível aferir se a sua marca consegue convencer as pessoas do valor de suas ofertas;

Conversão do Funil – detalhar a análise acaba facilitando o diagnóstico de possíveis problemas. Além de acompanhar a taxa de conversão total (como mencionamos acima), também é válido averiguar as taxas de conversão de cada etapa do funil (topo, meio e fundo) a fim de entender se há um problema em algum estágio, de forma isolada;

Proporção entre CAC e CLV – para a saúde financeira da empresa é fundamental que o CAC (Customer Acquisition Cost), o Custo de Aquisição por Cliente, seja menor que o CLV (Customer Lifetime Value), o Valor Vitalício do Cliente. Enquanto a primeira métrica diz, em média, quanto tempo cada cliente permanece com a sua empresa, a segunda refere-se ao quanto que a empresa gasta para conquistar cada cliente.

Net Promoter Score (NPC) – perguntar de forma simples e objetiva aos seus clientes acerca de que nota eles dão para o seu serviço/produto, e se recomendariam a um conhecido ou amigo é muito importante para conhecer o nível de satisfação com a sua marca.

Quais segmentos podem adotar o Inbound Marketing?

pessoa tocando eletrônico ícones diversos

Diversos nichos de mercado podem (e devem) utilizar o Inbound Marketing em suas estratégias, independentemente do porte da empresa. Desde instituições de ensino, de saúde, até escritórios de advocacia, e-commerces e agências, entre muitos outros setores, conseguem obter sucesso com estratégias que priorizam o conteúdo de relevância. Veja só estes exemplos:

VivaReal: o Viva Corretor, canal criado pela plataforma de venda e aluguel de imóveis VivaReal, consegue conectar corretores de todo o Brasil ao compartilhar informações úteis sobre o mercado imobiliário em geral. Assim, a empresa concentra o seu público-alvo em um espaço próprio, propõe um debate sobre os temas de seu universo e faz de si mesma uma referência em seu segmento (autoridade). O mesmo consegue ser feito em seu blog (http://www.vivareal.com.br/blog/), alimentado com informações referentes a aluguéis, manutenção e reparo, condomínio e tudo mais.
Colgate: a empresa lança em seu canal online vídeos, guias interativos e artigos com informações que são do interesse do nicho disposto a obter informações sobre higiene e saúde bucal. Dessa forma, a marca assume o compromisso de levar ao seu público o máximo de dados sobre o seu segmento de atuação.

Hospital Samaritano: a instituição de ensino disponibiliza, em seu próprio site, um tipo de conteúdo capaz de fidelizar o público. São publicações que abordam desde assuntos mais simples, como sucos detox, até outros mais complexos, como a apresentação de um novo procedimento cirúrgico, por exemplo. Com isso, o hospital consegue levar conhecimento se valendo da propriedade e da autoridade que o segmento em que está inserido lhe confere, ajuda a atrair leitores e, consequentemente, clientes/pacientes.

Inbound Marketing não é fórmula mágica

O Inbound Marketing já provou ser uma metodologia que funciona e entrega resultados mensuráveis para quem o aplica. Com o avançar das ferramentas e algoritmos, seremos capazes de extrair cada vez mais informações sobre nossos leads. Isso poderá nos fornecer um processo de venda cada vez mais conveniente e otimizado para o cliente.

É importante observar que os resultados provenientes do Inbound Marketing vêm em médio e longo prazo, e que os investimentos em equipe e posts patrocinados são muito importantes para potencializar as ações estratégicas. Não é algo que será implementado do dia para a noite e trará resultados. Contudo, com um planejamento bem elaborado e executado, as chances de sucesso são consideráveis.

Inbound Marketing em Salvador

Em Salvador, cidade cujo PIB (Produto Interno Bruto) era de R$ 63 bilhões em 2019, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), investir em Inbound Marketing pode representar um ótimo negócio. Impulsionada pelo setor de serviços (62% do total), a capital baiana é líder no Nordeste e tem o nono maior PIB do País.

Você sabia que a RED é a maior especialista em Inbound Marketing em Salvador? Temos expertise em campanhas segmentadas, produção de ebooks, gerenciamento de redes sociais, vídeo marketing e geração de leads.

Esse conjunto de estratégias tem o objetivo de atrair potenciais clientes e guiá-los até o momento da compra. Afinal, muitas das pessoas que podem se interessar pelo seu produto ou serviço, ainda não sabem que a sua empresa existe e, às vezes, sequer imaginam que precisam do que você vende.

Daí a importância do Inbound Marketing em Salvador

A RED conta com uma equipe qualificada que ama conhecer as histórias das empresas e ajudá-las a entender melhor sobre essa revolução na forma de vender. Quer conversar mais sobre Inbound Marketing em Salvador? Fale com um de nossos consultores.

Categorias
Inbound Marketing

Inbound Marketing para dermatologista: o que você precisa saber

O setor de dermatologia registra crescimento em boa parte do Brasil. Em meio a um mercado cada vez mais competitivo, é de extrema importância investir em marketing de conteúdo para se destacar em relação a concorrência, uma vez que os seus serviços precisam sem encontrados em um site, no Google e nas mídias sociais, não é mesmo? É aí que entra o Inbound Marketing.

Mas antes de nos aprofundarmos na importância do Inbound Marketing, precisamos observar a necessidade de os profissionais da saúde atentarem para as questões éticas relacionadas à divulgação de seus serviços.

Segundo o Manual de Publicidade Médica, elaborado pelo Conselho Federal de Medicina, é proibido consultar, prescrever ou diagnosticar por meio de qualquer meio de comunicação de massa ou ainda divulgar informação sobre assunto médico de forma sensacionalista, promocional ou de conteúdo que não seja verídico/científico.

Respeitadas essas determinações, vamos falar de Inbound Marketing (Marketing de Atração), um conjunto de estratégias que buscam, por meio de conteúdo relevante, atrair, converter e fidelizar os clientes, explorando mecanismos de busca, redes sociais e blogs para ser encontrada.

Assim, o Inbound Marketing se contrapõe ao conceito tradicional da publicidade, o que possibilita a conexão da empresa com o seu público-alvo ao utilizar como bases o Marketing de Conteúdo, as Estratégias em Redes Sociais e o SEO (Otimização Para Mecanismo de Busca). Hoje, milhares de empresas em todo o mundo utilizam o Inbound Marketing, e neste artigo da Digital RED você vai compreender os motivos.

Inbound Marketing na dermatologia

Mas de que forma o Inbound Marketing pode ser útil para uma clínica de dermatologia? Primeiramente é importante que você demonstre a sua autoridade no assunto, o que costuma ser feito por meio de site/blog e das mídias sociais. Ao apresentar conteúdo de relevância e responder dúvidas frequentes das pessoas, você é capaz de se posicionar como uma referência no assunto, aumentando as chances de conquistar pacientes.

Sabe aquele assunto da sua área que está em alta no momento (Covid-19, por exemplo)? Aproveite e escreva ou fale sobre, oferecendo dados científicos e informações relevantes para que seu público se interesse cada vez mais. Também é importante fidelizar essa audiência por meio de newsletters, sempre agregando conteúdo interessante e útil às pessoas.

Mulher Dermatologista examinando sua paciente

Observe que há centenas de doenças dermatológicas as quais afetam a saúde de idosos, adultos e crianças. Que tal então abordar temas sobre pele, pelos, cabelo e unhas, uma vez que são frequentemente pesquisadas?

Como funciona o Inbound Marketing

Se antes do advento das novas tecnologias o consumidor não tinha controle sobre o que consumia – lembre-se dos comerciais de TV, além dos anúncios de jornais e revistas -, na internet ele pode escolher tudo: formas de consumir, conteúdo e canais, por exemplo. Por essa razão, conquistá-lo com o que ele mesmo deseja absorver é fundamental, do contrário, aumentam as chances de perdê-lo para a concorrência. É aí que entra o Inbound Marketing.

Para efeito de comparação, o Inbound Marketing atua como um imã capaz de atrair os clientes por meio do conteúdo publicado. Para que isso aconteça é necessário trabalhar com planejamentos estratégicos bem pensados e com ações de alta performance. Mas não se assuste. Pequenas e médias empresas também podem adotar o Inbound Marketing, e não somente as grandes.

Saiba tudo sobre Inbound Marketing aqui

Origem do Inbound Marketing

Mas quando nasceu o Inbound Marketing? Não faz muito tempo. Foi há cerca de 20 anos que boa parte das marcas percebeu que não deveria interromper seus consumidores, mas sim ajudá-lo na solução de suas necessidades, agregar valor e, ao mesmo tempo, nutrir relacionamentos.

O conceito de Inbound Marketing passou a se desenvolver a partir de 1999, quando Seth Godin lançou a obra Permission Marketing, a qual abrange os princípios mais relevantes do Inbound Marketing e representa, até os dias de hoje, uma leitura importante para quem busca compreender melhor essa área. A utilização dos termos Inbound Marketing, por sua vez, passou a ser difundida pelo cofundador da empresa Hubspot, Brian Halligan.

Inbound Marketing: características

Entre as principais características do Inbound Marketing estão a comunicação aberta, na qual marca e cliente se engajam em discussões e iniciativas, o que possibilita que a interação seja constante e aberta; a continuidade, quando a mensagem da marca é transmitida continuamente, nos momentos mais convenientes para elas, ao invés de interrompê-las; e o maior engajamento, que se dá a partir de um relacionamento de confiança (conquista) alimentado por uma geração de valor constante e sem interrupções.

Principais etapas do Inbound Marketing

Além de um bom planejamento e da execução assertiva, o Inbound Marketing demanda a compreensão de suas quatro etapas básicas de operação. Elas são bem simples e ajudam a resumir os próprios objetivos desse conceito de marketing cada vez mais utilizado:

1) Conquistar: um site sem visitas não gera clientes, certo? Sem os clientes não há vendas e, por consequência, perde-se toda a razão para se trabalhar com essa estratégia. Por esse motivo a primeira etapa do Inbound Marketing é “atrair”, que preferimos chamar de “conquistar”.

Funciona assim: ao invés de gastar energia em procurar pessoas que poderiam se interessar sobre seu negócio/mercado, gasta-se energia na construção de algo digno de legítima atenção e, assim, atrai-se muitas pessoas que por espontânea vontade se interessaram no assunto. Dessa forma você tem um público muito mais engajado e propenso a realmente consumir o produto;

2) Converter: o objetivo de conseguir muitos visitantes é converter o máximo deles em leads, ou seja, transformá-los em oportunidades reais de venda. Afinal de contas, visitas não pagam boletos…

3) Vender: depois de nutrir os leads gerados ao utilizar conteúdo relevante, é necessário avaliar quem está no estágio certo do funil e fechar a venda;

4) Fidelizar: a relação com o cliente não termina depois da compra. Pelo contrário, agora é que começa uma nova jornada, cujo objetivo é encantá-lo a fim de que se torne um promotor da marca e atraia mais clientes para o seu negócio, fazendo uso de recomendações.

Inbound Marketing: principais vantagens

Entre os principais benefícios do Inbound Marketing estão alcançar o público certo para o seu negócio, estabelecer um relacionamento mais próximo com os clientes, aumentar o poder de persuasão, encurtar o ciclo de vendas, diminuir os custos, subir o ticket médio e mensurar os resultados em tempo real.

De acordo com a Content Trends 2017, as empresas que adotam o marketing de conteúdo alcançam 2,2 vezes mais visitas em comparação com as que não fazem uso dele. Além disso, as que produzem uma quantidade maior de conteúdo (mais de 13 peças por mês) chegam a ter 4,2 vezes mais visitas.

Muito além da qualidade, o Inbound Marketing também tem a qualidade do público como principal atrativo, uma vez que é possível segmentá-lo. Segundo o mesmo levantamento, as empresas que usam marketing de conteúdo conseguem gerar 3,2 vezes mais leads do que aquelas que carecem de uma estratégia similar.

Principais canais do Inbound Marketing

Google notebook smartphone mobile

Você deve estar se perguntando quais são as ferramentas utilizadas no Inbound Marketing a fim de fazer com que as pessoas fiquem mais propensas a se tornarem leads e, em seguida, potenciais clientes de sua marca. Estes são os principais canais:

• marketing de conteúdo: o conteúdo é uma das principais ferramentas do inbound marketing, atuando em todas as etapas do funil de vendas. O marketing de conteúdo é capaz de atrair, converter e encantar clientes e potenciais clientes. Sua estratégia envolve fatores como a criação de personas e pesquisa de palavras-chave;

• blog: é o principal canal de produção de conteúdo que uma empresa pode usar no Inbound Marketing. Todos os materiais criados passam, de uma forma ou outra, pelo blog. Lembre-se sempre que o blog é seu, ao contrário das redes sociais, logo é o seu maior patrimônio para essa finalidade;

• site: se o blog “vende” o conteúdo, o site é que vende seu produto real. Conforme ouvem a sua mensagem, os visitantes e leads, naturalmente, se sentirão atraídos a ver o que a sua empresa oferece;

• mídias sociais: as mídias sociais, que incluem tanto as redes sociais (Facebook, Instagram, Linkedin, Twitter, Pinterest etc.) quanto aplicativos de mensagem (Whatsaap, Telegram), são fundamentais para disseminar seu conteúdo e fortalecer a imagem da sua marca com o público;

• SEO: onde as pessoas de todo o mundo costumam ir quando querem pesquisar produtos, serviços e tirar dúvidas? No Google. O SEO possibilita que seu site seja encontrado mais facilmente, de preferência na primeira página, e consiga muito mais tráfego qualificado.

Listamos quatro técnicas de SEO para Dermatologistas e Clínicas:

1. Site adaptado para todos dispositivos (smartphone, tablet, etc);
2. Imagens otimizadas (reduzir seu peso), tornando o site mais leve e rápido;
3. Estruture o site de forma precisa com tags de HTML (h1, h2, h3) com a inclusão de texto prioritário da sua especialidade e ênfase do local da clínica;
4. Produzir conteúdo no blog de interesse das pessoas, sobre problemas, tratamentos, procedimentos e soluções que as pessoas buscam no Google, respeitando sempre seu código de ética.

Ferramentas do Google para a sua clínica ou consultório

Você já ouviu falar no Google Meu Negócio? Trata-se de um dos mais importantes produtos do Google, pois, na maioria das vezes, é por meio dele que novos pacientes entram em contato com o objetivo de agendar uma consulta. É no Google Meu Negócio que as pessoas se informam, por exemplo, a respeito do horário de funcionamento da clínica e se funciona aos finais de semana e feriados. Nesse sentido, é crucial sempre manter esses dados atualizados.

O Google Maps também é fundamental, porque a localização é um fator decisivo para seu paciente. Quando as pessoas pesquisam sobre um determinado serviço ou profissional, o Google sempre vai entregar a melhor opção para o usuário, sobretudo o que está mais próximo dele. Caso a sua clínica esteja na região que o paciente procura, você tem uma grande probabilidade de ser encontrado (isso se você tiver uma conta no Google Meu Negócio). Outro benefício é a opção de o paciente chegar a sua clínica através do GPS do Google Maps.

Smartphone ícones redes sociais Twitter Instagram Facebook

Métricas de Inbound Marketing que você precisa conhecer:

Analisar métricas demais ou acompanhar os indicadores errados estão entre os principais perigos no que diz respeito à mensuração dos resultados no Inbound Marketing. Algumas das principais métricas que devem ser acompanhadas são o Retorno Sobre Investimento (ROI), a Taxa de Conversão, Conversão do Funil, Proporção entre CLV e CAC, e o Net Promoter Score (NPC). Listamos uma breve descrição de cada uma delas:

Retorno Sobre Investimento (ROI) – o marketing está gerando prejuízo ou lucro? É por responder a esta pergunta que o ROI é considerado a métrica mais importante. Basta somar todos os investimentos de marketing feitos e comparar com os resultados obtidos (aumento de vendas, quantidade de leads gerados), redução do ciclo de vendas, novas compras por clientes ativos etc.);

Taxa de Conversão – esse indicador mostra quantas pessoas estão sendo conquistadas, seja de visitantes para leads quanto de leads para visitantes. Dessa forma, é possível aferir se a sua marca consegue convencer as pessoas do valor de suas ofertas;

Conversão do Funil – detalhar a análise acaba facilitando o diagnóstico de possíveis problemas. Além de acompanhar a taxa de conversão total (como mencionamos acima), também é válido averiguar as taxas de conversão de cada etapa do funil (topo, meio e fundo) a fim de entender se há um problema em algum estágio, de forma isolada;

Proporção entre CAC e CLV – para a saúde financeira da empresa é fundamental que o CAC (Customer Acquisition Cost), o Custo de Aquisição por Cliente, seja menor que o CLV (Customer Lifetime Value), o Valor Vitalício do Cliente. Enquanto a primeira métrica diz, em média, quanto tempo cada cliente permanece com a sua empresa, a segunda refere-se ao quanto que a empresa gasta para conquistar cada cliente.

Net Promoter Score (NPC) – perguntar de forma simples e objetiva aos seus clientes acerca de que nota eles dão para o seu serviço/produto, e se recomendariam a um conhecido ou amigo é muito importante para conhecer o nível de satisfação com a sua marca.

Inbound Marketing é um processo contínuo

O Inbound Marketing já provou ser uma metodologia que funciona e entrega resultados mensuráveis para quem o aplica. Com o avançar das ferramentas e algoritmos, seremos capazes de extrair cada vez mais informações sobre nossos leads. Isso poderá nos fornecer um processo de venda cada vez mais conveniente e otimizado para o cliente.

É importante observar que os resultados provenientes do Inbound Marketing vêm em médio e longo prazo, e que os investimentos em equipe e posts patrocinados são muito importantes para potencializar as ações estratégicas. Não é algo que será implementado do dia para a noite e trará resultados. Contudo, com um planejamento bem elaborado e executado, as chances de sucesso são consideráveis.

Você tem uma clínica ou consultório de dermatologia e precisa aumentar sua presença de marketing digital? A RED conta com uma equipe qualificada que ama conhecer as histórias das empresas e ajudá-las a entender melhor sobre essa revolução na forma de vender. Quer conversar mais sobre Inbound Marketing em Salvador? Fale com um de nossos consultores.